Tente se lembrar de como era o mundo antes da pandemia. Certamente, encontrar alguém que trabalhasse remotamente era raro. Agora, segundo a consultoria BTA, a adesão ao regime por parte de empresas brasileiras chega a 43%. Muitas delas não cederam um dispositivo para o colaborador. 

O trabalho continuou por meio de dispositivos domésticos sem um Next Generation Endpoint configurado. Assim, ataques cibernéticos dispararam com a mudança relâmpago. São números alarmantes.

Quer saber como o Endpoint pode te ajudar a ter um home office mais seguro? Leia este artigo até o final. 

A falta de compreensão é desafiadora

Pilhas de pesquisas apontam o financeiro e a falta de compreensão sobre ferramentas de cibersegurança como o maior desafio. De qualquer forma, home office é uma extensão do novo normal e adaptar-se é preciso.

Dispositivos pessoais não têm políticas de segurança configuradas. Se o antivírus comum estiver pelo menos habilitado é o caso de 2 em milhões. Enquanto isso, neste cenário de despreparo, dados são roubados e criptografados. 

Empresas do futuro precisam de Endpoint Protection 

Acreditar que ‘’isso não vai acontecer com a minha empresa’’ leva ao desleixo. Também, é uma mentalidade que não condiz com a realidade:

– 1 novo malware a cada segundos;
– 1 milhão de URLs infectadas por dia;
– 70.000 análises de sandbox por dia;
– 3 milhões de spam por dia;
– 65% das organizações brasileiras vítimas de ransom; 

E está longe de parar por aí. Todos os dados são da Sophos. O que fazer em meio a tantos dados preocupantes? Investir em um Next Generation Antivírus, ou Endpoint, para cada dispositivo da empresa. Desta forma, a empresa promove a confidencialidade de seus dados nos canais de acessos ao espaço virtual. 

Endpoint Protection: como a solução pode ajudar?

Faz tempo que o trabalhar não se resume ao computador preso por fios. A tecnologia desenvolveu smartphones, tablets e dispositivos móveis em geral para mais mobilidade. Por fim, você tem seu escritório em qualquer lugar. 

Não se esqueça que ‘’qualquer lugar’’ não tem proteção. Aqui, o Next Generation Antivírus faz sua magia. O software oferece recursos de ponta.

Machine learning e deep learning bebem da fonte da inteligência artificial para identificar comportamentos suspeitos de usuário. Ao longo do tempo, acumula e processa aprendizado de ações habituais da máquina.

O EDR (Endpoint Detection and Response) percebe aplicações desconhecidas e responde prontamente a elas. Se representarem alguma ameaça, são neutralizadas.

Enfim, o dispositivo ‘’de ponta’’ é isolado para não se espalhar no sistema da empresa. Essa é a premissa do endpoint: proteger de um extremo ao outro.

Você pode saber mais sobre o Endpoint e a assertividade de suas funcionalidades no combate às ameaças zero-day neste artigo. Leitura boa e rápida!

Por que Endpoint e não Antivírus?

Endpoint Protection pode ser uma novidade para muitos. O antivírus como você conhece com certeza não é. Ele já vem instalado na máquina para controlar a carência de segurança, que seja com uma camada mínima de segurança.

Os perigos da internet não costumam ser lembrados e aí está o gargalo. Dispositivos conversam entre si a todo momento. Em um mundo IoT, cada conexão é uma oportunidade de ouro para hacker’s. 

Na mesma velocidade que a conexão é estabelecida, malwares realizam sua invasão. Endpoint Protection é sobre isso: um conjunto de medidas – proteção contra dispositivos periféricos, sistemas para prevenir invasões (IPS), análise de padrões e filtros de web. 

Endpoint é controle, notificação e respostas com base em comportamento. 
Antivírus detecta e previne com base em um banco de ameaças já conhecidas. 

3 dicas para um home office mais seguro

Ter Endpoint Protection para garantir a confidencialidade, proteção e manutenção das tentativas de ameças no dispositivo é ter 85% de segurança. Somando a isso, o gerenciamento de profissionais de peso representa os outros 15% que você precisa para ter mais tranquilidade na sua rotina de cibersegurança. 

Se percebeu que está na hora de colocar a solução na sua agenda, sentimos que a missão está cumprida. Veja agora 3 dicas para um home office seguro:

1) Limite o acesso a dados sensíveis

Resguardar dados estratégicos é importante para escalar a segurança. Mesmo sem intenção pode ocorrer aquele click inofensivo no botão de phishing. Pronto, portas abertas para que ameaças consigam invadir o sistema.

2) Eduque os seus colaboradores

No escritório ou em casa. Com ou sem uma forte estrutura de segurança. Engenharia social é um problema para a sua empresa se não houver um treinamentos e conhecimento sobre o que é. 

A técnica consiste em conduzir usuários a tomar uma determina ação. Esta, torna o ataque possível. Recebeu um e-mail que ganhou na megasena mesmo tem ser jogado? Um bom exemplo de phishing. Acredite, há quem caia.

3) Endpoint Protection sincronizado com Firewall

O dashboard de acompanhamento é completo. Acompanhe todas as máquinas seguras, infectadas e identifique qual é o responsável por ela. É possível rastrear o passo a passo da ameaça para análise e contenção para evitar a dispersão. 

Gostou das dicas? Aprofundou seu conhecimento sobre Endpoint Protection? Você pode ter um home office mais seguro também acompanhando as redes sociais da Strema. Fique por perto!

Acompanhe a Strema no LinkedIn e também no Instagram para receber mais conteúdos como este!