Com o avanço da era digital ficaram mais frequentes e elaborados os ataques cibernéticos. De acordo com pesquisa recente, o Brasil sofreu mais de 3,2 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos no primeiro trimestre de 2021. 

Estes são dados muito preocupantes e que devem ser considerados a todas pequenas, médias ou grandes empresas a fim de proteger e gerenciar seus dados e acessos. 

Antes de mais nada, quando se fala em cibersegurança é extremamente importante trabalhar com várias “camadas” de elementos em cibersegurança com o objetivo de escalar a segurança do ambiente virtual. Assim, minimizar os riscos para  se proteger ao máximo contra estas ameaças e possíveis ataques.

Dito isto, um dos elementos fundamentais da rede de cibersegurança das empresas é o Firewall, que atua na linha de frente na defesa contra ataques. Consequentemente, protege sua empresa contra vazamentos.

Neste artigo vamos desvendar o que é o Firewall, os tipos existentes e suas principais aplicações e funções.

O que é um Firewall?

Primeiramente, vamos a uma definição.

Você já sabe que o Firewall é responsável por analisar e proteger o tráfego de dados da rede LAN (interna) com a rede WAN (externa). Aquele que pode vir instalado no seu dispositivo não é o suficiente para garantir sua proteção.

O Next Generation Firewall atua com novos recursos e inteligência avançada. Sempre em atualização, o firewall oferece possibilidades de política de gerenciamento mais avançadas para o seu negócio.

Next Generation Firewall é uma barreira de proteção a fim de garantir a segurança dos dados. Assim, garante a integridade e a confidencialidade dos mesmos. 

Ou seja, funciona como um muro. Como o próprio nome diz, impede que sua rede seja invadida por ameaças cibernéticas na troca de informações, ou dados, com a internet. Ele é encarregado de perceber, notificar e barrar ações suspeitas.

Em outras palavras, todo pacote de entrada de informações que entra ou sai de um ambiente de rede ou diretamente nas máquinas de sua empresa precisa ser analisado e protegido.

Então, essa é a principal função do firewall. Filtrar o tráfego e gerenciar acessos.

Existem diferentes tipos de firewalls. Veja a seguir os principais deles.

Tipos de Firewall

Os principais tipos de firewall existentes são:

Firewall Local

Este tipo de firewall é o da própria máquina, do próprio sistema operacional. 

O sistema operacional pode ou não ter um firewall configurado por padrão. Ainda que tenha um firewall em execução, as regras de segurança podem não ser tão rígidas quanto poderiam ou deveriam. 

Dessa maneira, a revisão das configurações do firewall e sua modificação, de modo que o tráfego seja aceito somente a partir dos endereços IP confiáveis  e das portas das quais é estritamente necessário, é importante para fortalecer o sistema operacional. 

Por exemplo, no Linux, ele já apresenta por padrão as portas bem fechadas, normalmente. A única porta liberada é a SSH. Inclusive sem a liberação de algumas portas é impossível ter acesso a algumas aplicações que você esteja instalando ou executando dentro dela.

Da mesma forma, o Windows também vem regularmente com estas portas fechadas, porém ele reconhece se sua rede é local, que já é reconhecida por ele. Assim, ele já faz a permissão dos acessos que chegam até ele.

Contudo, é importante salientar que este tipo local é aconselhável vir acompanhado de mais camadas de segurança. Por exemplo, endpoints, ou até mesmo um firewall de borda, que vamos abordar a seguir.

Firewall de borda

Este é o tipo de firewall mais comum, é o sistema responsável pela proteção de dados entre a sua rede local até a rede externa que é a internet, e vice-versa.

Assim, ele irá analisar e filtrar o tráfego dos pacotes que entram e saem da sua rede corporativa.

Firewall de borda

Além do filtro dos dados, há ainda os recursos de liberação de acesso dos usuários internos para meios externos.

Controles de navegação e aplicação.

Também, o uso do VPN (Virtual Private Network) que ficou ainda mais comum nos últimos tempos. Devido ao aumento do formato de trabalho remoto que as empresas tiveram que se adaptar em consequência da pandemia de Covid-19.

Trataremos mais sobre as suas funcionalidades mais pra frente.

Firewall Cloud

Assim como um Firewall de borda, o Firewall de cloud filtra o tráfego de rede. Este forma uma barreira em torno de infraestruturas, plataformas e aplicativos que estão armazenados em nuvem. 

Em resumo, atuam exclusivamente na nuvem. Também são chamados de firewall virtual.

Firewall Cloud
Firewall Cloud

É importante destacar que mesmo que você contrate um serviço de firewall em cloud é necessário, não só contratar o serviço, mas também configurá-lo. Pois nem todas aplicações são automáticas.

Também, a responsabilidade sobre a funcionalidade de proteção do firewall é compartilhada entre a empresa contratada e por você que contratou o serviço. 

Para saber mais sobre armazenamento em nuvem leia aqui nosso artigo sobre cloud computing.

A importância do firewall para sua empresa

Segurança

Sem dúvidas o principal motivo de se ter um Next Generation Firewall é a segurança.

Segundo pesquisa apresentada na revista Exame, 80% das organizações globais correm o risco de sofrerem uma violação de dados como o caso recente de uma grande loja de departamentos. Nos próximos 12 meses, com alta probabilidade de afetar informações de seus clientes.

É de suma importância que seja considerado investir em toda uma infraestrutura de cibersegurança, não apenas adquirir um firewall.

Infraestrutura com soluções complementares, para se proteger de ponta a ponta contra todos os tipos de ameaças virtuais.

Disponibilidade

Existem vários tipos de ataques a banco de dados de empresas em que os criminosos virtuais sequestram informações deixando a organização indisponível durante minutos, horas ou até dias. 

Imagine o prejuízo para sua empresa. O quanto ela perderia, se ficasse sem todos os seus dados durante 24hs. Se sofresse um ataque e tivesse seus dados retidos, com o risco de até mesmo não recuperá-los?

LGPD

Entrou em vigor no final do ano de 2020 a Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD. Ela tem como objetivo proteger a integridade dos seus dados.

Dessa forma, as empresas têm que se adaptar à nova legislação para se resguardar e evitar multas que podem chegar a R$50 milhões ou 2% do faturamento da sua organização.

Ter um firewall e outras camadas de segurança para proteger os dados da sua empresa é fundamental para sobreviver no mercado.

Saiba um pouco mais sobre a importância de se adequar à LGPD. Leia o nosso artigo sobre o assunto.

Principais funcionalidades

Dentre as inúmeras funcionalidades, separamos abaixo os principais recursos disponíveis do Firewall:

Segurança de Firewall

Faz a verificação do tráfego entre zonas e redirecionamento de portas. Além disso, com um firewall você pode fazer o controle de acessos de usuários e gerenciamento de envios de arquivos em plataformas predeterminadas, diagnósticos de avaliação avançadas de ameaças zero day, sincronização com Next Generation Endpoint, escaneamento de malware, e mais:

VPN

Conforme abordado anteriormente, o VPN ou Virtual Private Network ficou muito mais comum devido a explosão do “home office”. É definido como uma ponte virtual entre pontos específicos de forma privada.

Funciona como um túnel que faz a comunicação entre dois pontos, passando pela internet. Por exemplo, o compartilhamento dos dados entre matriz e filiais, de forma segura, pois os dados são criptografados.

Prevenção de invasão

O firewall oferece a segurança e prevenção de ataques e invasões como, por exemplo, dos tipos DDOS (que causa indisponibilidade no sistema), IPS (Intrusion Prevention System – usada para identificar ameaças em potencial e responder rapidamente aos ataques), ataques Spoofing (que consiste em mascarar pacotes ou endereços IP) e outros.

Filtragem de pacotes

A filtragem de pacotes, ou Packet Filtering, funciona como filtro dos dados de tráfego de acordo com regras estabelecidas pelo responsável, analisando os pacotes de saída e entrada.

O firewall examina os pacotes de dados nesta camada, procurando códigos maliciosos que podem infectar sua rede ou dispositivo. Se um pacote de dados for identificado como uma potencial ameaça, o firewall bloqueia.

Filtro de aplicação

O filtro de aplicação, atua filtrando a troca de informações diretas. O filtro de aplicação captura e examina todas as informações que entram ou saem de uma rede. Desta forma, permite que sejam criados protocolos de bloqueios em endereços ou aplicações predeterminadas. 

Por exemplo, uma empresa que libera o uso do aplicativo Whatsapp para a troca de mensagens dentro de suas máquinas, porém limita o uso de aplicações, tal como videochamadas, compartilhamento de arquivos.

Filtro de email

Faz a análise das mensagens recebidas por correio eletrônico em busca de vírus ou spam. Em seguida, o Firewall analisa e trata os e-mails recebidos. Então, qualquer tentativa de phishing ou e-mail malicioso, é bloqueado.

WAF

O Web Application Firewall protege seus servidores web internos ou externos. O IPS também faz essa proteção, porém o WAF é mais específico e minucioso para qualquer que seja a aplicação web.

Antivírus

Se um usuário estiver tentando acessar algum endereço, fazer o download de algum arquivo, algo do tipo, o firewall vai checar se tem algum tipo de vírus, malware, etc., e fará o bloqueio.

Sandbox

Sandbox é um ambiente de teste isolado. Lá executa ou “detona” um arquivo ou URL suspeito que chega à sua rede ou que venha anexado a um e-mail e então observa o que acontece. 

Se o arquivo ou URL exibir comportamento malicioso, é uma nova ameaça descoberta e faz o bloqueio.

O sandbox é um ambiente virtual seguro que simula com precisão seus servidores.

Firewall é a primeira linha em segurança

Enfim, percebeu o quanto o Next Generation Firewall é um recurso fundamental em segurança?

Definitivamente, ele é versátil e repleto de utilidades. Uma solução bem robusta em termos de cibersegurança.

Porém, para garantir uma proteção completa você deve refletir sobre outras camadas de segurança para sua empresa: Next Generation Endpoint, Backup, Criptografia, Data Loss Prevention, Zero Trust Network Access, SOC, Disaster Recovery e soluções em Cloud.

Também vimos a importância de se ter um profissional capacitado para ativar e administrar essa estrutura de segurança. Ou seja, não adianta nada ter os melhores recursos em cibersegurança se não souber como gerenciá-los. Seria como ter um carro blindado à prova de balas, mas andar sempre com os vidros abertos.

A Strema pode te ajudar com o que precisar para readequar a segurança da informação da sua empresa. Acesse o nosso Instagram e LinkedIn para saber mais e conferir nossos conteúdos.

Nosso Guia Completo de Segurança de Dados é um bom primeiro passo. Faça o download!